Archive

Archive for the ‘Dia-a-dia e mais um pouco’ Category

fev
18
Tempo de leitura: 6 minutos

Oi turma!!

Tudo bem?

Pois, aqui tudo.. Como alguns já sabem, me submeti, a exatamente um mês, a uma cirurgia de artrodese lombar, uma cirurgia que consiste em fundir vértebras com uso de vergalhões e parafusos, falando de maneira simplificada. Resolvi escrever esse artigo pra compartilhar minha experiência como um modo de juntar minha informação com as múltiplas que se pode encontrar na net e que são, como já sabemos, das mais variadas.

A experiência com essa cirurgia pode ser diversa, e o grande problema consiste em que muitos que estão realmente ruins jogam sua esperança de melhora toda em cima da cirurgia, ou mesmo uns que não estão efetivamente ruins fazem a cirurgia sem ainda não ser realmente necessário e tem, claro, com isso, a piora da dor.

Como sabemos, artrodese, na medicina, significa fusão, ou seja: Fusão óssea de uma articulação. Contudo, a referida articulação, com a artrodese, deixa de existir. Isso pode ser um dado bastante relevante quando se pensa em fazer uma artrodese, especialmente na coluna. Simplesmente por que a mobilidade vai diminuir, e possivelmente vai haver dor se essa mobilidade for tentada (Nos primeiros tempos), como eu mesmo pude confirmar durante minha experiência com essa cirurgia.

Para compartilhar minha experiência de uma forma passo a passo, então, vou começar por alguns fatos que vieram antes dessa cirurgia:

Em 2009, após diversos problemas e diminuição grave da mobilidade na perna esquerda, e, claro, muita dor, fui submetido a uma cirurgia de hérnia de disco, com o DR. João Ivan Lopes, em Pelotas. Ainda antes dessa cirurgia ele me falou que estava tendo disgaste no disco entre l5 e s1 e que, mais cedo ou mais tarde, eu teria de operar provavelmente pra fazer uma cirurgia que iria “fundir” essas vértebras diminuindo, com isso, a dor. Até chegou a levantar a questão de fazer junto já essa cirurgia mas eu não quis.

Após a cirurgia ele me pediu o exame de densitometria óssea, por que achou meus ossos fracos demais para minha idade. Feito então o exame descobriu-se osteoporose grande na coluna, e também perda no quadril e fêmur. Estava ali, claro, uma das prováveis causas do problema. Com o tempo, claro, somamos a ela algumas outras.

Feita então a cirurgia de hérnia, tive uma recuperação boa e sem grandes problemas. Por 2 anos tive tranquilo, até que em 2011 voltei a sentir dor, de forma leve. Após um exame de rotina o médico em questão falou que eu havia perdido, já, mais ou menos 30% do disco. Voltamos à questão da artrodese, que, mais cedo ou mais tarde eu teria de fazer e estava chegando a hora, aparentemente.

Contudo, consegui prorrogar até fim de 2012, quando voltei a sentir, de fato, dores fortes não só na coluna como nas pernas, especialmente esquerda. Então voltei ao DR. João Ivan, e decidimos que, de fato, já estava na hora de tentar a artrodese, por que a tendência, doravante, era somente piorar e não melhorar.

Fiz então a cirurgia, no dia 19/1/2013. Confesso que estava deveras nervoso, especialmente por que, como costumo fazer, busquei na internet informações sobre essa cirurgia e elas eram tão diversas que não havia um parâmetro onde eu pudesse me fixar. Teve alguns dizendo que tiveram um resultado ótimo já desde os primeiros dias; Outros dizendo que os primeiros meses foram uma tortura mas depois melhoraram, outros dizendo que ficaram na mesma, e claro, alguns dizendo mesmo que fizeram a cirurgia e se arrependeram! Como não ficar nervoso numa situação dessas?

Contudo, como quase sempre acontece, me armei de coragem (Que eu nem sei de onde tirei tendo em conta as mais diversas referências), e fui lá e fiz a cirurgia.

Como descrever o pós operatório? Não foi jamais um mar de rosas, mas também não tão horrível quanto poderia ter sido. Eu não sabia que iria ter de colocar sonda na urina: Que coisa chata e desagradável aquilo! E pra tirar então: Não dói, mas arde e incomoda pra caramba… Mas, resumindo a questão: No primeiro dia tive abaixo de morfina e dolantina, e devo dizer que sempre que passava um pouco dos efeitos desses remédios a reação que vinha (Me refiro à dor) não era nada interessante. Soma-se a isso a questão chata e desconfortável de não poder se virar na cama, tendo de ficar de barriga pra cima (Posição na qual eu literalmente nunca consigo dormir). O DR. João Ivan tinha deixado prescrito um medicamento pra me auxiliar no sono se eu pedisse, o qual eu não pedi por que tenho apineia, e pensei: Apineia+remédio pra dormir+barriga pra cima= Uma combinação não muito recomendável… Então, preferi o cansaço e o atraso no sono. Felizmente no outro dia de manhã quando o DR. João Ivan foi me fazer o curativo já autorizou que eu virasse de lado, o que, claro, me botou pra dormir tranquilamente por muitas horas e de forma natural e sem riscos.

Devo dizer que, tanto naquele dia quanto nos primeiros (Especialmente primeira semana), coisas simples como por exemplo se virar na cama se tornam um pouco mais complicadas e se não fossem feitas com apoio dos braços, por exemplo, dói, e o suficiente pra desanimar um pouco. Contudo, nada tem a ver, mesmo nesse estado crítico de pós operatório, com a dor de antes da cirurgia.

Já no terceiro dia, (Dia 21), de tarde, me levantei da cama, não sem algum esforço e também não vou dizer que sem dor, mas o fiz. Já deu até pra tomar um mate com a mãe e a namorada e fiquei mais ou menos uma hora entre de pé e sentado.

Depois, claro, voltei prà cama e só voltei a levantar no outro dia, pra ir pra casa. Devo dizer, que nesse referido dia quase não levantei, por causa da dor, mas no fim consegui, e então pude sair do hospital.

Fiquei os primeiros 4 dias na casa da mãe da minha namorada e então depois fomos pra nossa casa. Mas já no dia seguinte (dia 23) já pude dar algumas caminhadas e ajudar minha mãe a resolver uns problemas computadorísticos, embora tenha quase tido eu um problema por exagerar com o tempo de pé e etc.. Mas tudo bem. Após a primeira semana eu já conseguia ficar bem mais tempo sentado ou de pé, e na segunda semana, tirei os pontos. E devo dizer que essa parte também é bem desagradável: Como levar 22 picadas de agulha duma vez só, uma atrás da outra.. Mas tudo bem: Feita a retirada dos pontos até aproveitei, com alguns cuidados, pra dar uns passeios no centro com a mãe e a Denise. Já voltei pra casa de ônibus e procurei, desde então, agir o mais normal possível, retornando, dentro do permitido, à minhas atividades normais. Hoje estou quase completamente sem dor, (Exceto se faço algum esforço maior), e quase me arrependi de ter cancelado o semestre na facul. Só não estou “completamente” arrependido por que ainda, se cometo algum exagero, tenho um pouco de dor.. Mas não é nada que mesmo um paracetamol 750 e um pouco de repouso não resolvam.

Então, resumindo, o que tenho a dizer sobre essa cirurgia? Nos primeiros dias tu te arrepende, e quase xinga a mãe do cara que inventou ela, mas eu, no meu caso, pelo menos até agora estou tendo uma recuperação excelente, o que fez valer apena o sacrifício. Contudo, relatos como o meu e alguns outros que li, de uma recuperação excelente, são poucos; E deixo um recado à aqueles que estão pensando em fazer essa cirurgia: Pense bem, e avalie bem com seu médico se a possibilidade de melhora é suficiente pra valer o sacrifício do operatório/pós operatório, e mesmo os riscos que nessa (Bem como em qualquer cirurgia que envolve implantes) tem. Feito isso, se achar que vale apena realmente e se você verdadeiramente sente dor a ponto de achar que vale o risco, opere, e, claro, espero que tenha a mesma sorte que eu, e que pegue um bom médico e uma boa equipe pra lhe operar e cuidar do pós operatório. Feito isso, e dado o meu depoimento e recado, deixo a vocês dois links pra olharem, não só pra entenderem o que vai acontecer se fizerem essa cirurgia, como pra não decidirem entrar nessa levianamente:
Vídeo: Mostrando uma cirurgia de artrodese lombar: http://www.youtube.com/watch?v=5SqonUeHS-8
Artigo sobre artrodese lombar no site Dores crônicas: http://dorescronicas.com.br/cirurgia-de-artrodese-lombar-o-que-fazer/

Devo dizer que depois que li esse artigo fiquei um pouco assustado e quase desisti da cirurgia (Isso foi um dia antes de internar); Mas o que o autor do artigo fala é mais ou menos o que estou falando de forma resumida: Não entrem nessa levianamente. A cirurgia pode ser muito positiva, mas deve-se avaliar se realmente é necessário fazer. Eu mesmo não resolvi todos os meus problemas com ela: Ainda tenho dor nas costas, provocada por um problema na região dorsal, mas receio ainda não valer apena operar nesse caso e também não é algo que não se possa suportar.

Termino esse artigo agradecendo às pessoas que doaram sangue para eu poder fazer a cirurgia, bem como a aquelas que ajudaram a divulgar no facebook/twitter. Em apenas 2 dias conseguimos os 5 doadores que eu precisava!!

E, agora, fico por aqui esperando que todos que leiam esse artigo tenham a mesma sorte que estou tendo e que meu depoimento, somado ao material que postei junto com ele, sirvam também de acréscimo às orientações que muitos que vão fazer essa cirurgia ainda precisam.

Leiam bastante, pensem bastante e avaliem bem com o médico.. Feito isso, boa sorte e bola pra frente!!!
Um abraço
Fernando

set
21
Tempo de leitura: 4 minutos

Oi turma!
Tudo bem?

Pois.. Alguns já devem ter se perguntado: esse cara sumiu de novo? Vem, posta uma meia dúzia de coisas e depois vai embora por lá sei eu quanto tempo? Não, nada disso…

Como alguns sabem, eu e o Diniz daríamos um mini-curso de rádioweb no CONADI2012, em 20/12/2012. Na última hora, por motivo de saúde, o Diniz não pode participar da ministração do curso, e tive que substituí-lo, encima da hora, pelo Luidi que se mostrou, naturalmente, uma ótima escolha, como eu já imaginava e comprovei na prática.

Então: Na segunda passei o dia arrumando o que havia ficado por arrumar e na terça, parti para São José dos Campos, SP, de avião até Guarulhos, e de carro até São José.

Meu voo partiu na terça, a uma da tarde, e imaginem que para isso acontecer eu tive que ir pro aeroporto as 9 da manhã, por que de Novo Hamburgo até Porto é mais ou menos uma hora, correndo tudo bem. Esqueci de acrescentar que partimos abaixo de chuva, ainda bem que minha mãe foi comigo até lá, senão as coisas iriam se complicar um pouquinho…

Pois bem: Consegui chegar no aeroporto por volta das 10:30, com chuva e tudo, e claro, imaginem a combinação: cego+bengala+mala+mochila+bolsa+pochete+chuva? =Confusão total, claro, mas tudo bem… Faz parte da carga de acontecimentos não previstos que, claro, como não poderia deixar de ser, são bastante divertidos… Então: Cheguei no aeroporto e fiz o check in, já me livrando dessa parte, e fomos numa lanchonete, por que claro: eu não iria almoçar e sabe-se lá que horas iria chegar em São José.. Pois: Apenas uma taça de café e um pãozinho com batata, 10 reais! Como sempre o absurdo dos preços dos lanches no aeroporto que infelizmente as vezes a gente tem que pagar. Mas tudo bem: Dei um paliativo pro estômago e enrolei até o meio-dia, quando seria a hora do embarque. Fui prà sala de embarque já contando que em alguns minutos iria pro avião e fui enrolado mais um pouquinho, indo embarcar no último grupo já por volta de 10 prà uma. Isso que, claro, eles disseram que meu embarque era prioridade, imaginem se não fosse.. Talvez eu perderia o avião…Aaa…

Como já falei, cheguei aqui por volta de 14:40, e fiquei esperando o motorista, que veio pouco depois. Fui pro hotel e tenho que dizer que fiquei muito bem acomodado.. Imaginem a seguinte combinação: Chuveiro a gás, barzinho cheio de coisas interessantes, ar condicionado, e.. 4 telefones num mesmo quarto, inclusive um telefone no banheiro, do lado do vaso (Só nem quero pensar na utilidade que se possa dar a ele)… Em fim: Foi o melhor hotel que já fiquei até hoje. Rango 24 horas, podendo pedir o que quiser no quarto que eles mandam, pensão completa (Ou seja: café, almoço e janta), e claro, uma cama confortável e uma escrivaninha boa pra meter o notebook, além de internet sem fio que as vezes não funciona, mas quando funciona é boa.

Na quarta de manhã fui para o evento e lá fiquei pela manhã inteira, assisti a plenária “Relatório mundial sobre a deficiência: recomendações para políticas públicas” e também a terceira mesa que foi sobre novas tecnologias de comunicação.

Almocei e retornei ao hotel pela tarde, para esperar o Luidi, claro, precisávamos combinar as “coordenadas” da palestra de quinta e claro, nem sempre é só isso que acontece, sempre rola algumas bagunças no meio. Nos programamos de sair com uns amigos e assim foi. Claro que “cego que não enxerga” tem sempre que fazer umas trapalhadas, como alguns puderam ver em meu Twitter, mas foi divertido. Eu e o Luidi, depois que retornamos, ficamos até mais de 3 da manhã conversando, combinando questões sobre o mini curso e claro, falando um pouco de besteiras também como não poderia deixar de ser.

No outro dia saímos ao meio-dia e fomos para o local do evento já pra deixar tudo pronto na sala do curso, e então depois fomos almoçar. Depois do almoço tivemos quase uma hora de intervalo até a hora do curso pra relaxar ou ficar mais nervoso ainda, cada um escolheria sua opção… Eu escolhi a minha entre essas duas, como não poderia deixar de ser. Na palestra falamos sobre produção de áudio, automação, história das webradios e um pouco sobre transmissão. Duas horas é de fato pouco tempo pra falar sobre um tema com tantas ramificações e de tal complexidade, mas suponho que a gente tenha conseguido atingir nossos objetivos. De fato, um curso só sobre zararadio, que é um dos programas que usamos para automação, pra ser a contento teria que ter 3 ou 4 aulas, então imaginem falar sobre automação, produção, história e transmissão de uma webradio em duas horas… A sorte é que temos uma apostila pra distribuir pros interessados, e claro, nossos contatos.

Pra terminar essas minhas façanhas São Paulísticas, voltei pro hotel por volta das 17:30 e claro, mais morto do que vivo, fui dormir um pouco que acabou sendo um “muito”, acordando só por volta da meia-noite e meia quando claro, resolvi pedir a janta. Sim, jantei passado da meia-noite! E depois fui tomar uma ducha que claro, em hotel tem que ser de mais de uma hora, e agora to aqui, escrevendo pra vocês, leitores dessa coisa aqui…

Amanhã, vou pro congresso de manhã e pego o carro que vai me levar pro aeroporto as 11, e o avião as 14:00. Chego em Porto Alegre por volta das 16:00 e em Novo Hamburgo por volta das 17:30, correndo tudo bem. Amanhã então, volto aqui, pra compartilhar mais algumas experiências e claro, em breve escreverei também um artigo (Inspirado em algo que ouvi por aqui), sobre um termo que ouço com muita frequência: “Portador de deficiência”… Não vou adiantar nada agora pra não estragar a leitura futura de vocês.

Fico por aqui então, e nos vemos em breve com mais novidades. Um grande abraço!
Fernando

set
17
Tempo de leitura: 3 minutos

Oi pessoal, tudo bem?

Pois.. Eu tinha prometido escrever o artigo sobre um certo livro do Dan Brown como próximo post, mas nem sempre as coisas correm como a gente planeja.
Ademais, tem coisas que acontecem na vida da gente que não podem ser negligenciadas principalmente quando a gente pertence a uma classe na qual uma palavra dirigida a nós não se torna apenas uma ofensa pessoal e sim a demonstração clara e aberta de um preconceito estúpido e desnecessário dirigido a ela, ainda mais, como falei num certo post anterior, com toda a informação e comunicação que se tem hoje em dia. O curioso, como também mencionei no tal post, é que essas coisas acontecem aqui, em Novo Hamburgo, perto da capital, mas não me lembro de ter histórias como essa pra contar na minha cidade, Pelotas.
De qualquer forma, a obrigação da gente nesses casos é, de alguma forma, tentar esclarecer e nisso, mesmo com a quantidade de informação que já se tem disponível, falar nunca é demais. Vamos ao fato: Hoje fui na igreja com minha mãe, e logo na entrada, (Claro que diante de pessoas que não me conheciam, mas isso pouca diferença deveria fazer), após as apresentações ouvi uma pessoa comentar: “Que engraçadinho ele…”
Hora: Não é a primeira vez que ouço esse tipo de coisa e creio que todos os meus colegas e amigos dvs, leitores dessa coisa aqui, vão confirmar também já ter passado por experiências semelhantes, algumas eu mesmo já tendo ouvido contar. Contudo, imaginem o seguinte: Não querendo me gabar, mas a informação se faz necessária no contesto: Eu, graduando de música na ufpel, produtor de áudio desde 1998 e tendo já feito vários cursos incluindo programação, rádio e outros e podendo me engajar em diversas áreas do mercado de trabalho, se fosse procurar um emprego sem fazer concurso hoje em dia pouco iria conseguir, como aconteceu com muitos amigos meus inclusive que, ainda bem mais graduados que eu tem que aceitar qualquer emprego por que só as vagas nos empregos mais (Básicos ou baixos)? São ofertadas aos deficientes. A gente aguentaria isso se não fossem os preconceitos estúpidos que levam uma pessoa que chegou em ti e ta pela primeira vez falando contigo dizer: Que engraçadinho ele!…
Por que digo isso? Simples: Essa idiotice de dizer coisas como “que engraçadinho, que bonitinho e etc”, e aqui peço que desculpem o termo mesmo mas infelizmente não consigo pensar em outro melhor, além de moralmente destruir a pessoa que ouve, colocando-a numa condição de criança ou mesmo incapaz, ainda é um absurdo a aquilo que a pessoa, com a deficiência que tem, representa: Sabemos hoje que mesmo algumas pessoas com deficiência mental, podem constituir familia, ter um emprego, em fim: ser tratadas como um igual pelo resto da sociedade. Ver um deficiente visual pela primeira vez e se referir a ele como “engraçadinho” é o absurdo dos absurdos, não só por ser uma atitude tomada sem conhecimento de causa, como por ser um preconceito estúpido e desnecessário, e ainda mais: Jamais pode ser justificado com coisas como “falta de informação”. Amigos e leitores, não estamos mais no século passado, onde, embora ainda absurdas, essas coisas eram compreensíveis: Estamos num tempo com uma quantidade de leis, informação e comunicação que faz com que algo como isso seja no mínimo grosseiro com a pessoa que ouve esse tipo de coisa.
Finalmente, deixo um recadinho a meus leitores: Em breve, até o termo “deficiência” vai cair em desuso. Se já isso está quase acontecendo, tomara que olhar para um cego e dizer coisas como “Que engraçadinho” seja um dia motivo de chacota. A informação está aí: No rádio, na TV, na internet… Apenas não a ouve, vê ou lê quem não quer.
Um abraço..
Fernando

set
10
Tempo de leitura: 3 minutos

Oi turma!
É curioso… Historinhas como essa que relato hoje já aconteceram com diversos amigos meus, mas a gente pensa que com o tempo, a informação e as leis, as coisas mudam.. Mas que nada!
Bom, vamos começar do começo, relatando o fato, e deixar os comentários e as “comparações” para depois:
Foi hoje pela manhã que o fato se deu: Fui num dentista, fazer uma revisão de rotina, acompanhado pela minha mãe. Não sei se por costume ou o que, mas normalmente que ando com ela (ou com alguém que enxerga), não uso a bengala, e quando ando com a mãe nem fico com a bengala aberta na mão. Então: Cheguei no consultório do dentista e já estava na minha hora: Tive de entrar correndo prà consulta, e, quando estava entrando minha mãe disse: Vou ali acertar o estacionamento e já volto. Pois..
Cumprimentei o dentista e ele perguntou para minha mãe qual era o motivo pelo qual eu estava lá. Minha mãe disse que eu explicaria e ela iria sair e ele, com aquela voz de quase desespero, disse: “Não, mas acho que a senhora tem que ficar junto!”… Dessa vez, claro, fui eu que respondi educadamente: Não, não se faz necessário. Despedi a minha mãe e quando ele perguntou novamente por que eu estava lá, respondi que era uma consulta somente de rotina. No decorrer da consulta ele, de início, ainda me tratou diferente, mas claro que eu corrigi isso através de diálogos no qual a própria postura da gente mostra nossa verdadeira condição. A partir de então ele me tratou como um igual, claro. Mas, no meio da consulta, eu que já aprendi a não deixar pra depois o que incomoda, perguntei diretamente por que ele havia falado com minha mãe e não diretamente comigo… A resposta foi que não havia ficado claro, quando ele me viu, qual a deficiência que eu tinha. Agora eu pergunto: Deficiência tem cara? Jamais ouvi uma desculpa tão inteligente e bem colocada.. Claro que, na hora, eu não discuti com ele por que seria improdutivo, mas parando pra pensar não pude deixar de trazer essa experiência pra cá.
Naturalmente que reconheço a minha parte da culpa: eu tava andando segurando no braço da minha mãe e sem bengala. Contudo minha deficiência visual é evidente e se ele foi capaz de notar que eu tinha uma deficiência, como não se deu conta que era visual então? Ademais, se eu tivesse algum tipo de deficiência mental que não pudesse ficar sozinho, minha mãe naturalmente não me deixaria sozinho, não é?
A questão é: Hoje temos comunicação, informação, leis e também diversos deficientes visuais inseridos no mercado de trabalho. Curiosamente, e isso eu já mencionei de relance no início do artigo, tenho de fazer um comparativo aqui: Eu moro em Pelotas, que é uma cidade do interior… Ta certo que moro sozinho lá e isso muda um pouco a realidade, mas.. Lá, que é uma cidade do interior, eu não me lembro de ter acontecido esse tipo de coisa comigo! Nunca fui tratado de forma diferente; Sempre como um adulto, em fim, como igual. Aqui, em Novo Hamburgo e São Leopoldo, que são cidades próximas da capital e supostamente com mais acesso à informação e tudo o mais, essa não foi a primeira e nem vai ser a última vez que esse tipo de coisa vai acontecer… E eu pergunto: Onde está o principal fator que leva as pessoas a fazerem esse tipo de coisa? Não pode estar na falta de informação, nem tão pouco na minha postura cujo problema foi somente a ausência da bengala… Onde então?
Fica a pergunta para aqueles que quiserem dialogar através dos comentários dessa coisa aqui. Mas parece que, em alguns aspectos, pelo menos pela minha experiência, algumas cidades do interior estão bem mais informadas e preparadas que as capitais ou cidades próximas..
Era isso.. Um abraço e aguardo os comments!
Fernando

jun
21
Tempo de leitura: < 1 minuto

Oi turminha!

Tudo bom?

Aqui tudo.. Finalmente essa coisa aqui começa a ter atualizações
periódicas.. Quanto tempo será que vai durar? É o que eu mesmo me
pergunto.. Mas não se preocupem: Eu sempre apareço, sumo, reapareço,
etc, etc e etc…

Bom, depois de quase 5 meses sem orkut e uma curiosidade quase
interminável de fuçar o orkut dos outros que foi aumentando com a “crise
de abstinência orkutística”, somado ao fato de que eu também sentia
necessidade de que fuçassem no meu orkut também, e de postar aquelas
fotos lá, e coisa e tal, bom, vortei!! Retornei e estou de vorta bem
vortado! E quem quiser ir fuçar lá, ou mesmo me adicionar, o link do meu
perfil é:

http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=1084937381958433985&rl=t

Me adicionem e vejo vocês lá!!

Um abraço

Fernando

jun
17
Tempo de leitura: < 1 minuto

Oi turma!

Tudo bom?

Comigo, tudo…

Hoje venho compartilhar com vocês, leitores dessa coisa aqui, um pouco
do que se passou no “Tertulhas musicais” no conservatório de música da
UFPEL, na quarta passada…

Resumindo, o projeto tertulhas musicais, do prof. Marcelo Cazarré,
consiste em recitais periódicos onde vários alunos apresentam o material
que está sendo ou já foi trabalhado no decorrer do semestre e mesmo do
curso.

Hoje, para vocês, trago 3 vídeos: Um meu, e dois de minha amiga e
companheira de já dois anos e meio de curso, a Daniela Moreira.. Queria
trazer mais, mas isso ainda não foi possível, “aaaaaa”…

Bom, aí vão os links:

Eu cantando – Caro mio ben
Dani e Eterrie – Anda Jaleo
Dani e Prof. Cazarré – Elegie

Espero que gostem!!!

Em breve venho com mais novidades barulhísticas e “baguncísticas” pra
vocês…

Abração!!!

Fernando

fev
06
Tempo de leitura: < 1 minuto

Oi turma!!

Tudo bom?

Aqui, tudo dentro dos padrões. Sabem quando a gente tem uma casa
abandonada durante muito tempo? Pois, se queremos voltar a morar nela
depois de longo tempo a primeira tarefa que nos cabe é uma limpeza,
reorganização, pintura, ETC… A mesma coisa ocorre com os espaços
virtuais… Quando os abandonamos, depois, é necessário uma pequena
“reforma” pra que eles voltem a ser atrativos e interessantes…
Então… Imaginem que eu passei 2 anos sem atualizar essa coisa aqui,
(Em todos os sentidos)… O que significa que quando voltei a postar
muita coisa teve de ser corrigida.. Links quebrados, páginas indicadas
que já não existiam mais, plugins desatualizados.. E a própria versão do
wordpress que teve de ser atualizada (Além de diversas coisas que não
funcionavam)… Então, tive de fazer o seguinte: Ao invés de “corrigir
todos os probleminhas” simplesmente, fiz o seguinte: Deletei tudo
(Exceto o banco de dados) e coloquei tudo de novo no servidor… Isso
gerou umas duas horas quase de downtime, hoje de manhã, nessa coisa
aqui.. Peço desculpas aos meus leitores pelo incômodo, mas era
necessário… Foi mais fácil destruir tudo e instalar tudo de novo que
ficar corrigindo e atualizando coisa por coisa. Corrigi também os links
que estavam quebrados. E, junto com tudo isso, após anos com a “mesma
cara”, (Desde 2007), resolvi dar uma cara nova pra essa coisa aqui..
Contudo, como visualmente eu sou quase uma negação, aaaa, peço aos
leitores que deixem suas opiniões sobre o que acharam da cara nova do
blog… E, claro, em breve venho com mais novidades!!! Me aguardem!!!

Abração

Fernando

jan
21
Tempo de leitura: 2 minutos

Oi turma!!

Tudo bem?

Aqui tudo… Pois, como podem ver… Depois de dois anos e tanto sem
postar nada aqui, cá estou eu de novo!!!
Mas talvez algum de vocês se pergunte: Qual a novidade que eu trago
hoje?
Tenho de responder: “Nenhuma e, ao mesmo tempo, tantas que não se pode
nem contar”…

Contudo eu não vou, aqui, enumerar as coisas grandes e pequenas, tristes
e alegres, complexas e simples que se sucederam nesses dois anos de
ausência em uma única postagem que provavelmente será lida por poucos, e
comentada por menos gente ainda… Já verifiquei, em várias experiências
anteriores (Inclusive com textos dessa coisa aqui), que esses “textos
gigantes” acabam, como mencionei acima, sendo os menos lidos e menos
ainda comentados…

Por isso, de maneira breve, hoje venho para dizer que “estou
voltando”… Mas, assim como eu não sou mais o mesmo (Me refiro a esses
dois anos de mudanças em minha vida), esse blog também não será mais o
mesmo: A partir de agora, publicarei aqui o que tiver vontade de
escrever, o que quer que venha a querer sair do meu coração para estas
páginas aqui… E por isso advirto: Nem todos os textos vão agradar a
todos, mas, qualquer um antes de vir me dizer “Por que tu publicou isso,
por que escreveu aquilo?” saiba que uma das coisas que aprendi nesses
dois anos foi a dar menos explicação… Portanto, sintam-se livres para
comentar, criticar, ETC, inclusive por que eu, diante dos comentários,
farei isso em resposta… Mas sintam-se livres para não ler mais meus
escritos nessa coisa aqui se a escolha for apenas perguntar por que
escrevi isso ou aquilo.

E bom, abaixo à formalidade, (Ou quase isso?), tenho de explicar que o
título dessa postagem não foi escolhido só por que esse blog está
“renascendo”, mas sim, por que diz respeito a diversos aspectos da minha
vida nesses últimos dois anos, e inclusive, à questões anteriores a
isso, que, com o tempo, irei discorrendo.

Outra coisa é o seguinte: Não colocarei “datas programadas” para postar
textos aqui: Irei postar quando tiver vontade e quando tiver o que
dizer, (Ou quando achar que tenho o que dizer), mas, doravante, não
abandonarei mais este espaço.

Bom, acho que era isso, “por enquanto”… Como digo, “me aguaaardem”, e
verão em breve muita coisa por aqui. Comentários sobre coisas que já
passaram, coisas que tão acontecendo comigo ou com o ambiente que me
rodeia (nas quais darei minha opinião é claro), em fim.. Coisas que eu
tiver vontade de publicar… E é claro que também não deixarei de vez em
quando de publicar algo na seção de humor ou “coisa do gênero”…

E bom, “agora chega”,aaaa… Como digo, “me aguardem”, em breve estou
aqui com mais novidades!!!

Abração!

Fernando

nov
22
Tempo de leitura: < 1 minuto

Oi turma!!

Tudo legal?

Pois, aqui tudo… Depois de 500 anos desaparecido, 500 coisas
“acontecidas” e mais algumas por acontecer, estou aqui mais uma vez… E
claro, com uma novidade:

Lembram daquela pagininha que estava em www.musinformaticista.com?
Pois.. Eu tava quase decidindo tirar ela definitivamente do ar, mas
guardei o conteúdo dela… E agora, tudo (ou quase tudo) está
definitivamente no ar de novo… Tem algumas coisas, devido à mudança de
servidor, que ainda não estão funcionando direito, até por que antes
essa página estava na supremecenter, com tudo configuradinho certo pra
lá, e agora está em meu servidor na VIRTUASERVER,
e como a coisa lá é um pouquinho diferente, (caminhos de diretórios,
ETC), vai demorar um pouquinho pra ajeitar tudo…
Em breve, vocês verão muitas novidades por lá.. A partir do dia 21 de
desembro quando poderei dizer que já estou “quase de férias”, irei
começar a mecher no layout, conteúdo, concertar links quebrados, ETC,
de forma “substancial”, digamos assim..

Mas tecnicamente, a página será a mesma, só que toda feita em PHP (ao
invés de ser quase só html puro), e o conteúdo (principalmente links
quebrados, ETC…) será todo revisado e corrigido.

De qualquer forma, já está no ar novamente, e quem tem saudades dela, pode se
divertir por lá de novo.

Falando em servidores legais, dia 26 nosso sitiodosvox também está
completando um ano no ar 24 horas por dia e de forma estável.

Bom, mas chega de lorota, assim que possível venho aqui com mais
novidades… Não vou prometer data por que a coisa ultimamente ta meio
feia, em matéria de tempo… Mas assim que possível apareço novamente
por aqui..

Abração e até mais!

Fernando

jul
23
Tempo de leitura: 4 minutos

Oi turma!!

Tudo bem?

Pois, comigo tudo… Depois de quase 2 meses ausente devido a vários
pepinos pra resolver, várias outras coisas pra fazer e um monte de
pequenas encrencas, estou por aqui de volta, e finalmente vou poder
cumprir a promessa de trazer o conteúdo da página antiga pra cá e outras
coisas.. Começarei (e termino) ainda essa semana… Além disso, pra quem
gostava da rádio Studio-RS, dois avisos: 1) Ela está voltando…
Contudo… 2) Não exatamente como era antes. Explico: A rádio vai voltar
com quase os mesmos estilos de música, programação, ETC.. Exceto que,
além de eu aparecer bem mais no ar, ainda vou começar com tudo novo, até
o nome!! E o site, ETC… Aguardem, e em umas duas semanas no máximo
verão.. E só não vai ser antes por que vou viajar no dia 31, e não q
quero ativá-la pra ter que desativar (mesmo que só por 2 ou 3 dias)
assim que acabei de voltar ao ar com ela…

Bom, mas vamos então colocá-los por dentro de alguns acontecimentos
interessantes:

Já a algum tempo, eu vinha tendo problemas no servidor.. O VHCS2 é cheio
de manha, apesar de bem legalzinho, e isso me complicou um pouco…
Várias coisas fizeram acontecer o que aconteceu:

1) Quando eu editava os arquivos de configuração, pra não ter aquele
problema conhecido de todos os cegos que já tentaram editar arquivos de
configuração em um servidor linux através de conexão SSH no windows, que
é as atualizações do cursor e o fato do leitor de telas falar errado o
caracter em que o cursor realmente está, (e linha, ETC), trazia o
arquivo pra minha máquina, editava e mandava de volta pro servidor..
Isso começou a gerar alguns problemas estranhos como de permições,
“dono” errado do arquivo, e outras coisas que não permitiam direito o
vhcs2 de alterar seus próprios arquivos. Até aí tudo bem, mas.. Um dia
fui inventar de executar, como root, um script que fazia algumas
personalizações extras no vhcs2, (como instalação do awstats, inclusão
de SPF nos domínios, ETC)… Aí gerou um problema que literalmente
testou a minha paciência, e, principalmente, a do pessoal do suporte da
Virtuaserver, que nem tinha a obrigação de resolver esse tipo de problema e contudo
tentaram de tudo pra ajudar, até o ponto em que a situação foi tida como
corrigível somente com a reinstalação. Vocês podem imaginar? Fiquei
desesperado! Imaginem que além dos meus sites, o sitiodosvox.com, o
e o Blog, ainda tinha o site nlnp.net, do Edu Paes, e também o
site da audiogamesbrasil.com.
Além disso, claro, todas as configurações que já tínhamos feito, a
instalação do mailman, em fim.. Um monte de coisa e tudo aquilo
simplesmente seria perdido…
É claro que eu desconsiderei imediatamente a reinstalação recomendada
por eles por causa disso, mas, no sábado, dia 14/6 tive um motivo bem
forte pra aceitar: Fui eu mesmo tentar uma reinstalação do vhcs2… Além
de dar errado por diversos motivos, ainda apagou todos os e-mails,
sites, configurações do vhcs2, ETC… o que é óbvio! E vocês imaginam
eu, 4 horas da manhã de sábado pra domingo, (14 pra 15), desesperado pra
resolver o problema..
Pois.. No domingo a tarde pensei: Agora, não tem jeito.. Ou reinstalo ou
fico sem servidor… Pois, pedi uma reinstalação. Em 20 minutos mais ou
menos tudo tava no ar de novo e eu já pude começar a trabalheira de
colocar todos os sites, novamente, no ar, o que ainda levou umas 4 horas
é claro…
Não havia falado que, um dia antes desse berzabum todo acontecer ainda
devido a uma crise forte de dor fui parar no médico, e descobri que
estava com uma pedra no rim… (Esse foi inclusive o motivo de eu não
ter botado minha cabeça no travesseiro de sábado pra domingo, e, ao
invés disso, ter mechido na instalação do sistema e provocado a
catástrofe servidorística que deu depois)… Ou seja: Além do servidor
“estragado”, tinha eu “estragado”… E o piór é que eu não podia fazer
nada: Estragado ou não tinha que botar os sites no ar e pronto,
principalmente o nlnp.net e o audiogamesbrasil.com, que não são meus.. O
site do sitiodosvox, por exemplo, só coloquei todo de volta na
segunda…
Inclusive, essa coisa da pedra no rim foi um dos motivos pelos quais eu
sumi: A tortura durou quase duas semanas.. Mas felizmente eu consegui
expelir, com alguma dificuldade mas tudo bem, sem precisar de
sirurgia…
E, pra terminar a crise servidorística, quero agradecer mais uma vez ao
pessoal da Virtuaserver, por ter refeito (sem custo)a instalação do
mailman pra mim.. As listas estão voltando aos poucos, e bom, a lista do
sitiodosvox já tem mais inscritos que a “versão anterior”, e isso é
ótimo.
Só explicando pra quem “presenciou” o problema: O motivo do blog ter
ficado instável por quase 4 dias foi o seguinte: No “desespero” da
coisa, resolvi mandar todos os sites mais importantes (incluindo essa
coisa aqui) pro meu servidor antigo pra não ficar fora do ar… E vocês
imaginam o tempo que leva pro upgrade das dns.. O da Audiogames até
levou pouco tempo, segunda de manhã tava tudo 100%, o nlnp.net eu não
havia feito, mas o blog eu fiz, e.. 2 dias pra cá, dois dias pra lá…
Como eu havia feito no sábado mesmo, antes de pedir a reinstalação do
servidor, provocou 4 dias de instabilidade…
Mas em fim, é como eu digo: Foi “divertido”, apesar de trágico, e já
está tudo resolvido a dias..

Mas não foi só isso que me fez sumir… Compromissos também tem
“prioridades de execução”, eeee, não é só programa de computador que
tem… E, obviamente, por conta deles eu acabei ficando fora todo esse
tempo, e também não pude fazer aquela coisa da página, mesmo com tudo já
estando no servidor pronto pra publicar…

Mas agora to de volta e a coisa toda entrará no ar ainda essa semana..
Cada seção nova que eu for criando lá nas páginas, (pelo menos da parte
de downloads), crio um post avisando também.

E, pra terminar, como sempre quando eu sumo e volto a aparecer, junto
comigo aparece um upgrade. Esse foi o 2.6… Além de ter atualizado
vários plugins, agora essa coisa aqui está rodando no wordpress2.6,
devidamente traduzido é claro pela Comunidade wordpress BR.
Quem quiser fazer download dessa versão pra se aventurar a instalar, o
link é: http://br.wordpress.org
Mas em fim… Atualizei o sistema, e vocês, meus queridos leitores,
detectando um problema me notifiquem pelo formulário de contato que eu dou um jeito de
resolver.

Bom, vou ficando por aqui então, e, obviamente, aguardem as atualizações
que vem vindo… Elas trarão algumas novidades interessantes.

Abração pra todos, até a próxima e nos vemos também nos comentários!

Fernando

RSS
Follow by Email